quinta-feira, 10 de outubro de 2013

já tive medo de quem eu era porque achava que era alguma coisa
e coisa é um negócio que mete muito medo
como minhas respostas inúteis
pras suas perguntas funcionais
eu to pronta pra mergulhar no abissal cego dessa vista
meu cérebro é uma abstração dolorida
mas a dor vem de fora mesmo e nem me engrandece
o tamanho é descoberto como foi a américa
correm desesperadxs xs passarinhxs com suas perninhas desacostumadas
se tornaram amigxs os sentimentos que antes me humilhavam
já conseguimos até rir juntas disso
se algum dia talvez você não vir mais utilidade nenhuma em mim
talvez nademos juntxs no mar da poeira de toda essa cidade tombada
passarinhxs gigantes vão gritar seu algo
que chamaremos de hhmmmaash ou uuffemmamrram
depois esqueceremos os nomes
só a revoada dos poros
sem medo só gozo
diremos tchau como quem diz nsouvyghtrewhousparguqoüç
lembraremos do tão falado amor
e nos calaremos
já não nos vimos já nem somos
saudades boas do sentido
agora não precisa mais
nada

Um comentário: