sábado, 2 de outubro de 2010

não vou escrever uma poesia. as coisas mudaram de cor. não é uma metáfora. as coisas mudaram de cor.
o sol estava roxo, o céu da madrugada estava laranja. não é invenção minha dessa vez. sei que deveria ser assim, mas tem sido assado. que posso fazer?
me banharei da chuva mais ácida primeira que cair. e escorrerei junto com ela, até o coração de algo profundo, abaixo do asfalto. aí sim, aí sim será poesia. e vocês todos verão.

2 comentários:

Milla Helmine disse...

Nossa.

chora rita disse...

nada mais poesia que um subterrâneo grotesco